Actualización: donde estoy y como estoy trabajando

Buenos días, queridos lectores. Esta es una nota explicativa sobre lo que estuve haciendo en las últimas semanas y lo que probablemente continuaré a hacer en las próximas.

El trabajo en “Brasil”, mi nuevo libro, ganó complexidad. He investido los últimos dos o tres meses arreglando su universo ficticio y ahora estoy a punto de empezar su segunda revisión general. El labor es lento y metódico, el más demorado de mi carrera hasta hoy. No espero concluirlo hasta antes de junio de 2018.

En el intermedio, fue agraciado con dos empleos autónomos (freelance) en la plataforma Upwork, que me permiten guardar dinero suficiente para vivir bien y escribir en paz. Por otro lado, estos servicios exigen de mi diez horas diarias de labor, que, sumadas a las horas que invisto en mi literatura, me dejan poco o ninguno tiempo para cualquier otra actividad.

Es por esse motivo que este sitio está y continuará “latente” por un buen tiempo. Empleos freelance son inestables y clientes tan buenos cuanto los que tengo son raros, entonces prefiero aprovecharlos lo más que puedo. 🙂

Estoy de cambio para Buenos Aires en 25 de septiembre de este año. Intento obtener ciudadania argentina, pero mi situación a largo plazo en el país dependerá de su estabilidad política. Consideraré seriamente, por ejemplo, vivir en Chile si el Kirchnerismo retomar el poder en la bella, mas conturbada nación platina.

En suma, me gustaría decirles que estoy vivo y a todo vapor. 🙂 Espero hablarnos de nuevo muy pronto.

Con mucha atención y cariño, su escritor,
Diogo Cysne.

Anuncios

Sítio en tradución al español

Buenas noches, queridos lectores y lectoras.

Dando secuencia a una serie de mudanzas en mi vida personal y carrera literaria, este mi sitio está siendo traducido lenta y gradualmente al español. La pagina principal ya está en el nuevo idioma y las demás serán traducidas cuando yo encuentre tiempo.

En el secundo cuatrimestre de este año, voy mudarme a Buenos Aires con intención de obtener una visa de residencia permanente en Argentina. De inicio, planeo estudiar en la Universidad de Buenos Aires, pero analizaré si y como puedo conciliar una rutina universitaria con las mis de escrita y trabajos independientes (freelance).

Aunque el portugués sea y siempre será mi lengua materna, el nuevo idioma comercial en que venderé mis obras será el español o, en casos especiales, el inglés. Desde hoy, todo nuevo contenido en este portal también será en una de estas dos lenguas.

Agradezco la comprensión y pido disculpas por cualquier inconveniencia. Tengan todos una increíble y muy productiva semana!

Atenciosamente, el siempre suyo,

Cysne.

Atividade reduzida graças a incrível carga de trabalho

Boa noite, queridos e queridas.

As atividades deste meu site tiveram que ser reduzidas (e algumas funções cortadas; sobre isso, mais em breve) porque estou conciliando minha escrita com muitos outros serviços freelance, os quais mantêm meu ofício.

Agradeço pela compreensão dos que ocasionalmente visitam esta página. 🙂 Tenho muitas coisas que seriam relevantes para contar, porém, em virtude tanto de tempo reduzido quanto de discrição pessoal, prefiro mantê-las em segredo. 😉

Espero que vocês tenham todos ótimas leituras e grandes conquistas.

Um abraço,

Cysne.

Love and mourning for Lena Dunham’s “Girls”

The TV series “Girls” is consuming my life. Period.

Since I watched its phenomenal last season, I’ve been in such a state of mourning it’s been difficult even to work (not to write, though. Writing is fine).

For the first time ever, I’m rewatching an entire series. Season one to season six. Sixty-two episodes, bingewatching day by day. Never done this before!

Such an incredible series, really. I won’t be specific about its merits (or its genius) here, because I have no patience for writing an essay right now. All you need to know is that there is a strong reason I recommended it on my website: it’s just so fan-f#cking-tastic!

Jesus, I love those girls. I love this series. Just… marvelous.

And sad. Marvelously sad. Gut renching in its finale.

But wonderful. And I’ll never regret having experienced it. 🙂

Novas produções no “Diário de Obras”

Nesta segunda-feira (17), o autor Diogo Cysne acrescentou cinco novas obras ao seu diário de 2016/2017.* São elas, por ordem de avaliação:

 

(88) MAITLAND, Keith. “Tower“. 2016 (cinema).

(79) ARISTÓTELES. “Política“. 384-322 a.C. (literatura).

(72) YUDIN, Vlad. “Generation Iron”. 2013 (cinema).

(66) ELLIS, Edward; SALCEDO, Flor. “Para Ser Miss“. 2016 (cinema).

(66) LINDELOF, Damon; PERROTA, Tom. “The Leftovers“. 2015 (televisão).

.

*Os trabalhos deste período começaram a ser contados a partir de outubro de 2016.

“Talvez a melhor, mais divertida propaganda de crowdfunding já feita” (em INGLÊS)

 

Acabei de reassistir a um vídeo que fiz para um crowdfunding próprio no fim de 2016, quando eu achava que seria fácil (ou rápido) traduzir meus livros para publicação, em inglês, na plataforma Wattpad.

É uma pena que o projeto não foi para frente, pois o vídeo é tão divertido! 😀 Dá até vontade de criar um projeto parecido só para reaproveitá-lo. 🙂

Este certamente foi o vídeo mais “louco” que já produzi, bem como aquele com o uso mais intensivo de “truques” de edição. O projeto é narrado em inglês, então aproveitem-no para treinar o seu “the book is on the table” (minha enunciação, porém, deixa muuuito a desejar).

Grande abraço, amigos e amigas. A gente se fala.

Cysne.

28 novas obras adicionadas ao “Diário”

Neste sábado (08), foram adicionados vinte e oito títulos de diversas mídias (cinema, literatura…) ao “Diário de Obras” do autor Diogo Cysne. Essas produções, que ficaram retidas graças à alta carga de trabalho enfrentada pelo autor recentemente, foram consumidas em um período de aproximadamente um mês.

Abaixo estão as novas adições, dispostas das mais às menos bem avaliadas (maiores a menores notas). Para conferir todos os trabalhos apreciados pelo escritor desde o último trimestre de 2016, acesse a lista completa.

.

(92) CUNHA, Euclides da. “Os Sertões“. 1902 (literatura).

(88) MOZART, W. Amadeus. “Vesperae solennes de confessore, K. 339“. 1780 (música).

(87) MOZART, W. Amadeus. “Great Mass in C minor, K. 427“. 1782-1783 (música).

(84) FORD, Tom. “Animais Noturnos“. 2016 (cinema).

(83) VOGT-TOBERTS, Jordan. “Kong: Skull Island“. 2017 (cinema).

(82) ANNO, Hideaki; HIGUCHI, Shinji. “Shin Godzilla“. 2016 (cinema).

(82) TRACHTENBERG, Dan. “Rua Cloverfield, 10“. 2016 (cinema).

(80) SCORSESE, Martin. “Silêncio“. 2016 (cinema).

(79) MOORE, Michael. “Where to Invade Next“. 2015 (cinema).

(77) GRAHAM, Rory. “Human“. 2017 (música).

(76) ESPINOSA, Daniel. “Life“. 2017 (cinema).

(76) WILLIAMS, Roger. “God Loves Uganda“. 2013 (cinema).

(74) BOYLE, Danny. “T2 Trainspotting“. 2017 (cinema).

(73) SUGAR, Rebecca. “Steven Universe“. 2016 (televisão).

(69) MCGRATH, Tom. “O Poderoso Chefinho“. 2017 (cinema).

(68) BEETHOVEN, Ludwig van. “Piano Sonata No. 31 in A♭ major, Op. 110“. 1821 (música).

(67) HIRST, Michael. “Vikings“. 2016 (televisão).

(65) BEETHOVEN, Ludwig van. “Piano Sonata No. 27 in E minor, Op. 90“. 1814 (música).

(64) BEETHOVEN, Ludwig van. “Piano Sonata No. 10 in G major, Op. 14, No. 2“. 1798-1799 (música).

(62) ISRAELITE, Dean. “Power Rangers“. 2017 (cinema).

(61) MAHLER, Gustav. “Canciones a los niños muertos“. 1833-1834 (música).

(58) CONDON, Bill. “Beauty and the Beast“. 2017 (cinema).

(56) BEETHOVEN, Ludwig van. “Piano Sonata No. 16 in G major, Op. 31 No. 1“. 1801-1802 (música).

(56) SHYAMALAN, M. Night. “Fragmentado“. 2016 (cinema).

(53) YIMOU, Zhang. “The Great Wall“. 2016 (cinema).

(51) BEETHOVEN, Ludwig van. “Piano Sonata No. 26 in E♭ major, Op. 81a“. 1809-1810 (música).

(48) JODOROWSKY, Alejandro. “Poesía sin fin“. 2016 (cinema).

(31) BRUCKNER, Anton. “Symphony No. 4 in E-flat major“. 1874-1888 (música).

Primeiro rascunho de “Brasil” é concluído

Boa noite, queridos e queridas. Esta é mais uma nota breve sobre o progresso de minhas obras.

Nesta sexta-feira (um excelente timing, diga-se de passagem), concluí o primeiro rascunho de meu próximo livro, “Brasil”. São 472 páginas A4 em letra Times New Roman 12 e espaçamento simples (1 ponto) escritas ao longo de seis meses. Considerando a tranquilidade do processo criativo e a dimensão da obra, cuja narrativa é ampla e densa, esta é a minha maior conquista na profissão.

Sinto-me realizado como escritor, o que é a concretização de um sonho que tive desde bem pequeno. Obviamente, muita coisa ainda tem que ser escrita, principalmente a saga “Brasiliana”, que é um seriado à la “O Senhor dos Anéis” ou “Harry Potter”, mas minha principal obrigação—a de me tornar um escritor profissional—parece cumprida. Espero que esta realização contribua para me deixar ainda mais íntimo com o meio, permitindo ritmos de trabalho mais rápidos e com qualidade homogênea.

Em muito breve iniciarei a primeira revisão do livro, que é a etapa mais difícil e estressante do trabalho. Um rascunho, afinal, é (quase) sempre uma produção tosca, às vezes ilegível até para mim. Corrigi-la requererá tremenda paciência e atenção, motivo pelo qual estipulo sua data de conclusão para dezembro deste ano (2017).

Um grande abraço a todos e todas. Carinhos,

Cysne.

Rascunho de “Brasil” ultrapassa 400 páginas

Bom dia, queridos e queridas. Esta é uma curta nota celebratória.

Anteontem (15/03), o rascunho de “Brasil”, meu próximo livro, passou de 400 páginas, somando hoje 198 mil palavras em 407 páginas. Não sei se, feitas todas as revisões, será meu mais extenso romance (neste quesito, “Brasiliana” é um épico difícil de ser batido), mas estou certo de que ele terá o tamanho adequado à sua proposta.

Sempre imaginei “Brasil” como o melhor dos meus livros, portanto me satisfaço ao notar que sua escrita não me tem gerado os problemas que semelhante trabalho acarretaria a outros escritores na minha idade. Minha rotina diária, intensiva de produção explica, em parte, esta naturalização do meu processo criativo; talento e suporte de terceiros são o outro componente indispensável desta dádiva.

De resto, interrompi a busca por editoras para não mais desviar o foco da criação. Planejo, dada urgência dos tempos, primeiro terminar a minha bibliografia (ou seja, mais quatro livros além destes quatro já concluídos ou em conclusão) e só depois me aventurar em traduções e envios a editoras estrangeiras.

Gostaria muitíssimo de ser descoberto e de iniciar minha fama no Brasil, mas hoje entendo que certas coisas simplesmente estão fora do meu alcance. Considerando, porém, que os últimos seis meses foram uma sucessão de surpresas agradáveis, vai que, algum dia, este meu ceticismo seja derrubado. 🙂 Seria excelente! 😀

Estou fora do Brasil e sem acompanhar nenhuma notícia do país, à exceção das que chegam em sites globais: [1], [2]. A situação continua calamitosa aí? Deixem-me sabendo.

Grande abraço e ótimas leituras!

Cysne.

P.S.: atualizarei meu “Diário de Obras” com um bloco das novas obras que consumi assim que terminar o primeiro rascunho de meu livro. Por enquanto, posso recomendar-lhes vigorosamente “Kong: A Ilha da Caveira“, o melhor, mais divertido e ocasionalmente genial filme mainstream do ano.

P.S.2.: queria muitíssimo conhecer Jordan Vogt-Roberts, diretor do referido filme. Seu talento demonstrado na produção é impressionante!