Aquarius

FILHO, Kleber Mendonça. 2016.

Momentos de brilhantismo salpicados numa massa de mediocridade.

Em certos (e intervalados) momentos, “Aquarius” demonstra o espantoso domínio de seu idealizador, Mendonça Filho, sobre a técnica cinematográfica, mas estes se acabam quase que por completo após o segundo ato. Ritmo e roteiro são as principais falhas desta obra, o que já não é nem de longe incomum em filmes do Brasil; se algumas cenas, como a magnífica reunião de Clara com seus filhos e filha, são o cinema em seu máximo potencial, a maioria é um desperdício desfocado e não raro pretensioso de tempo. Há muito de excepcional aqui, sem dúvida, só que disperso em quantias tão maiores de mediocridade que o espectador estará perdoado por achar que “Aquarius”, no fim das contas, não foi mais do que uma belíssima, interessantíssima embromação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s